Mãe encarcerada: laços e desenlaces com a criança

Suzana Faleiro Barroso, Ilka Franco Ferrari

Resumo


O texto percorre caminho que leva à concepção do que é ser mãe, sua função e a constituição subjetiva da criança, a partir de questões advindas de pesquisa desenvolvida no Centro de Referência à Gestante Encarcerada do Sistema Prisional de Minas Gerais. Essa unidade carcerária é considerada modelo para a América Latina, pois, em instalações sem grades, prisioneiras grávidas ou já com seus filhos ali permanecem até que eles tenham por volta de um ano de vida. A ideia base desse projeto institucional é a garantia do aleitamento e do contato físico da criança com a mãe, contribuindo para fortalecer o vínculo psicoafetivo, até que a determinação judicial para separação entre a mãe e criança aconteça. A psicanálise orienta o percursoe, na conclusão, são estabelecidas algumas condições para se pensar essa separação, diferentes do tempo cronológico que tem sido preocupação da política governamental brasileira.

Palavras-chave: maternidade; crime; infância; laço social; teoria psicanalítica


Texto completo:

PDF




A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br