Acompanhamento terapêutico: concepções sobre a prática e setting terapêutico

Kelly Guimarães Tristão, Luziane Zacché Avellar, Pedro Machado Ribeiro Neto

Resumo


Este artigo objetiva compreender os significados atribuídos ao Acompanhamento Terapêutico (AT) na visão de psicólogos que atuam ou atuaram como acompanhantes terapêuticos, sendo abordadas suas concepções sobre a prática e especificamente o setting terapêutico. Foram realizadas 10 entrevistas semiestruturadas e analisamos os dados obtidos a partir da modalidade de Análise Temática. Os principais significados sobre o AT se referiram à construção de autonomia, reabilitação psicossocial e retomada de funções do cotidiano, e do setting como atividade eminentemente realizada no espaço público, constituída por situações imprevistas. O AT possibilita o resgate de atividades, produzindo transformações no cotidiano dos acompanhados e também na prática dos profissionais, os quais adquirem uma nova visão do “tratamento” e dos sucessos que o acompanhado conquista. Por fim, destaca a importância de que a gestão pública atente para a necessidade de contratação de profissionais que executem o AT.

Palavras-chave: Acompanhamento terapêutico. Setting. Saúde mental. Desinstitucionalização.


Palavras-chave


Acompanhamento terapêutico. Setting. Saúde mental. Desinstitucionalização.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br