Uso de ansiolíticos e antidepressivos por bancários: um estudo de representações sociais

Sara Fernandes Picheth, Elisa Yoshie Ichikawa

Resumo


 

Atualmente a sociedade vive sob uma crença de que a felicidade deveria ser eterna. As pessoas, ao enfrentarem o sofrimento, a angústia e a dor, recorrem aos ansiolíticos e antidepressivos que são vistos como recurso legítimo para responder ao mal-estar. Diante deste cenário, objetivou-se desvendar as representações sociais do uso de ansiolíticos e antidepressivos por bancários, uma vez que estes são conhecidos por enfrentarem ambientes de alta pressão e, assim, estarem mais propícios ao uso desta medicação. A pesquisa caracteriza-se como qualitativa e descritiva e teve seus dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com bancários de uma instituição privada da cidade de Maringá-PR. A análise dos dados permitiu concluir que, apesar de estarem cientes de alguns malefícios dos ansiolíticos e antidepressivos, os bancários visualizam neles um alívio à dor sentida. Assim, ao vivenciarem situações de sofrimento, estresse e depressão, os bancários adotaram ou estariam dispostos a adotar o seu consumo.



Palavras-chave


Representação Social; Ansiolíticos; Antidepressivos; Bancários.

Texto completo:

RESUMO PDF




A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br