Pichon-Rivière: uma “psicossociologia latino-americana” para os tempos de hoje

Marta Maria Okamoto, Emilia Estivalet Broide, Maria Cristina Gonçalves Vicentin

Resumo


No cenário das crises sanitária (em função do coronavírus) e política brasileiras, de distanciamento físico e microfascismos cotidianos, é necessário reafirmar a potência do trabalho grupal. Neste texto, revisitamos a proposta das Teorias e Técnicas Operativas de Pichon-Rivière, reconhecendo sua emergência no contexto sociopolítico latino-americano de violências políticas e autoritarismos e sua pertinência como práxis psicossociológica, com potência de intervenção nestes tempos sombrios. Com base na revisão de literatura, revisitamos as principais formulações conceituais e metodológicas da Teoria e Técnica de Grupos Operativos. Fragmentos de uma recente experiência de grupo operativo com adolescentes imigrantes ou filhos de imigrantes na cidade São Paulo nos fazem reafirmar a potência grupal como produção do comum na heterogeneidade e como afirmação do coletivo em relação ao individualismo. Em tempos de sufocamento, restrição de liberdades, ataques às conquistas sociais, os grupos são e devem ser lugares de resistência.


Palavras-chave


grupos operativos; Pichon-Rivière; imigração; adolescência.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br