A miséria da psicologia brasileira: subordinação ao capital e colonização-dependência

Pedro Henrique Antunes da Costa, Kíssila Teixeira Mendes

Resumo


No presente artigo teórico-analítico, discorremos sobre a miséria da psicologia brasileira como ciência particular e profissão. Primeiramente, expomos a miséria da psicologia ciência e profissão burguesa, subordinada ao Capital. Posteriormente, nos debruçamos sobre a miséria colonial-dependente da psicologia brasileira, como expressão da formação colonial-dependente do país, destacando contradições e apontando limitações e possibilidades. Sustentados no materialismo histórico-dialético, resgatamos análises de Marx sobre o desenvolvimento do capitalismo, de Martín-Baró sobre o caráter colonizado-dependente da psicologia latino-americana e de autores da tradição marxista na psicologia brasileira. A miséria da psicologia brasileira se dá na amálgama das misérias capitalista e colonial-dependente, da subordinação ao capital e uma dependência que remete à nossa constituição colonizada. A supressão da miséria de nossa psicologia é a supressão de uma sociabilidade que a tem como miserável; que expressa sua miséria pela psicologia, tornando-a miserável e se tornando (ainda mais) miserável.

Palavras-chave


Psicologia; Brasil; Marxismo; Colonização; Dependência.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br