Pensar relações não-inocentes: Farmácia e Odontologia em São Paulo por um viés de gênero (1985 – 1906)

Isabella Bonaventura de Oliveira

Resumo


Através de uma perspectiva situada, este relato de pesquisa discutirá as controvérsias e alianças que permearam o processo de institucionalização da farmácia e odontologia em São Paulo na Primeira República. Tais grupos pretendiam se estabelecer como áreas separadas da medicina e, para tanto, buscaram firmar alianças: fundando suas sociedades científicas, como a Sociedade Farmacêutica Paulista (1895) e a Sociedade Odontológica Paulista (1903), bem como, veiculando seus periódicos específicos. Destaca-se que tais profissões se mostraram permeáveis à presença de mulheres, sobretudo após a criação da Escola de Farmácia no ano de 1898. Dessa forma, pretende-se compreender as questões de gênero que atravessaram esse processo de institucionalização. Procura-se discutir de que maneira a presença dessas agentes promove novos direcionamentos e problemas em relação às concepções ascéticas e ‘objetivas’ de ciência que farmacêuticos e dentistas pretendiam mobilizar.

Palavras–chave: Gênero, Escola de Farmácia e Odontologia, História das ciências.


Texto completo:

PDF




A Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais é uma publicação eletrônica, mantida pelo Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial e pelo Programa de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (LAPIP/PPGPSI/UFSJ). É um periódico aberto, registrado com o ISSN 1809-8908, de acesso livre na internet publicado quadrimestralmente, desde 2006. http://www.seer.ufsj.edu.br