Educação para emancipação dos sujeitos: reflexões sobre a prática educativa de enfermeiros

Manuela de Mendonça Figueirêdo Coelho, Karla Corrêa Lima Miranda

Resumo


Pensar em educação e no porquê de educar remete a reflexões complexas e por vezes filosóficas. Ao admitir a educação em saúde como uma das ferramentas do cuidado da enfermagem compreende-se que esta se apresenta como um signo complexo e multifacetado. Refletir sobre sua fundamentação é não conceber o aprisionamento dessa ação, compreendida como uma prática social. Este estudo propõe uma reflexão e aproximação dos referenciais pedagógicos da educação como subsídio para a prática da enfermagem, com ênfase nas proposições de Saviani, Libâneo e Mizukami. Educar, assim como cuidar, é um desafio para enfermagem, pois não são ações de condicionamento ou de regulação dos sujeitos, mas espaço de encontro, de relação, que considera o outro em suas singularidades e planos, constituindo-se em verdadeiros atos educativos.


Palavras-chave


Educação em saúde; Educação; Enfermagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v0i0.499

ISSN: 2236-6091

DOI:10.19175